Educadores refletem sobre o seu papel em meio as transformações

2O Ser e Sentir-se Educador Social foi um momento proporcionado aos educadores para conectarem-se com seus sentimentos e percepções sobre as mudanças nas metodologias do Projeto Pescar. Segundo a mestre em psicologia social, Cristiane Schleiniger, que conduziu este espaço no Encontro Nacional de Educadores, a expressão de cada um também proporcionou uma conexão do grupo, em que puderam se identificar nas diversas falas, assim como perceber as diferenças existentes.

O convite foi para uma percepção lúcida da mudança, não visando à adaptação às novas metodologias, mas às transformações que elas gerarão. A atividade foi inspirada num trecho do texto de Paulo Freire:

E é na condição de seres transformadores, que percebemos que a nossa possibilidade de nos adaptar não esgota em nós o nosso estar no mundo. É porque podemos transformar o mundo, que estamos com ele e com outros. Não teríamos ultrapassado o nível de pura adaptação ao mundo se não tivéssemos alcançado a possibilidade de, pensando a própria adaptação, nos servir dela para programar a transformação.
Pedagogia da indignação: cartaz pedagógicas e outros escritos/Paulo Freire – São Paulo: Editora UNESP, 2000DSC_0851