Jovens das Unidades Consolação e Fisa têm prosa e verso publicados em livro do Fogap

A Superintendência Regional do Ministério do Trabalho do Rio Grande do Sul, o Ministério Público do Trabalho da 4ª Região, o Fórum Gaúcho da Aprendizagem e o Fórum de Erradicação do Trabalho Infantil e Proteção ao Adolescente publicaram um livro com os trabalhos dos jovens participantes dos concursos de prosa, verso e imagem e do Fogap da Canção Gaúcha.

Na publicação, destaque para o trabalho de dois jovens do Projeto Pescar, moradores de Caxias do Sul/RS, e participantes de cursos socioprofissionalizantes nas Unidades Consolação e FISA. Confira:

UM SONHO DE SER CRIANÇA
Deivid Antonio Rosa da Costa – 17 anos
Unidade Projeto Pescar Consolação

Trabalho infantil: uma história que vem de longe.
Seria uma forma de violência? Talvez a mais cruel delas?
A violência rouba o que a criança tem de mais precioso. O direito de ser de viver como criança, o olhar triste de humilhação e de vergonha de nossas crianças vítimas do trabalho infantil, clama por justiça, por uma ajuda que demora a chegar, por uma palavra de amor e carinho.
Parece óbvio que crianças sofrem sem receber qualquer ajuda, sem receber um pedaço de pão. Qual o sentido da vida se não fazemos o que é necessário para o futuro do mundo ou pelo menos o futuro de crianças abusadas diariamente, não apenas como mão de obra, mas também para o prazer de um ser humano sem coração.
Tem coisas que não voltam atrás, assim como “um minuto”. Em um minuto, muitas coisas acontecem, uma flor pode perder as suas pétalas, uma história pode chegar ao fim e uma lágrima pode cair e afastar um sorriso. Em vários momentos, um minuto pode parecer pouco, mas para quem tem sede de justiça, um minuto é o sofrimento de uma eternidade.
“Eternidade”é a palavra que define a dor por não ser amado.
Um minuto é tudo que preciso para realizar um sonho, sonho de ser livre, de ser amado, de ser criança.

REALIDADE CONTURBADA
Lucas Antônio Nissola Erdmann – 18 anos
Unidade Projeto Pescar FISA

Vamos falar hoje, da menina Juliete
Trabalha pros adultos igual marionete
e aqui na rima eu falo insanidade
Só que o povo brasileiro não curte a verdade
Enquanto crianças jogam bola de pé no chão
No semáforo eu faço malabares de pés descalços
Se minha infância deveria ser empinar pipa e jogar taco
Por que eu me criei juntando tabaco?
Se sobreviver é viver na exploração infantil
Todos tratados como bicho
A maioria dos bebês achados no lixo
Falando de criança vamos parar pra pensar
Elas vão ajudar ou prejudicar
No mundo lá fora eu sei que é muita dor
Mas temos sentimentos, vamos expor o amor
E das pessoas guardar menos rancor
O mundo é cheio de cores
Pare de dar socos e passe a dar flores

 

Fundação Projeto Pescar participa da 2ª Feira da Aprendizagem Profissional

A Fundação Projeto Pescar e a empresa AGCO participaram da  2ª Feira da Aprendizagem Profissional, realizada nos dias 30 e 31 de outubro, em Porto Alegre/RS. O evento foi  promovido pela Superintendência Regional do Trabalho e Emprego do Estado (SRTE RS), por meio do Fórum Gaúcho de Aprendizagem Profissional (Fogap) e do Fórum Estadual de Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil (Fepeti).

ff8b1e83-b3db-4b4c-90aa-f37749fa8375

A empresa AGCO é mantenedora institucional da Fundação Projeto Pescar e oferece vagas para jovens em situação de vulnerabilidade social em três Unidades do Projeto Pescar, nos municípios de Canoas/RS, Santa Rosa/RS e Mogi das Cruzes/SP

a3be5ff6-bc70-4390-bf87-b4ebe7906882

Turma da Soul visitando a Feira da Aprendizagem

4599a155-a5e3-4a76-a798-304e30e19a84

Representantes da Fundação Projeto Pescar, Vinicius de Almeida Americo e Fernanda Zimpel, com a coordenadora geral do Fórum Gaúcho de Aprendizagem Profissional, Denise Natalina Brambilla Gonzalez

 

Com o tema ‘Aprendizagem: aprimorando a profissionalização e combatendo o trabalho infantil’, foi possível chamar a atenção da sociedade sobre a importância deste tipo de programa na formação dos jovens, antes do ingresso no mundo do trabalho. Vinicius de Almeida Americo (Suporte aos Conselhos) e Fernanda Zimpel (Suporte Jovem Aprendiz) participaram do espaço dedicado para as entidades formadoras  da Aprendizagem Profissional.

 

 

Jovens do Banrisul participam de concerto no Theatro São Pedro

Os jovens da Unidade Projeto Pescar Banrisul, em Porto Alegre/RS, tiveram uma experiência cultural bem diferente na tarde do dia 17 de outubro. Eles participaram dos Concertos Banrisul para Juventude no Theatro São Pedro, em Porto Alegre. Mais de mil alunos de 18 escolas assistiram à Orquestra de Câmara do Theatro São Pedro.

Sob a dinâmica lúdica e interativa do maestro Antônio Carlos Borges-Cunha, compositores como Mozart, Vivaldi, Bach, Carlos Gomes, Villa-Lobos, Tom Jobim, Vinícius de Moraes, Toquinho e Marcos Valle, fizeram parte da seleção musical. A garotada teve a chance de diferenciar, por exemplo, instrumentos de corda, como violino, viola, violoncelo e contrabaixo.

“Os Concertos Banrisul para Juventude é um importante projeto patrocinado pelo Banco do Estado do Rio Grande do Sul, que consiste em 12 apresentações a cada ano, como a realizada hoje”, salientou o maestro Borges-Cunha. Ele transmitiu, ainda, palavras de incentivo e motivação aos alunos interessados em aprender a tocar um instrumento musical.

A educadora social Cláudia Fernandes, da Fundação Projeto Pescar, acompanhou a turma e avaliou o evento. “Achei o espetáculo maravilhoso, a cada ano ele se renova. Acredito que os jovens saíram daqui totalmente diferentes de quando chegaram. Percebi muita emoção e brilho no olhar deles”.

Os jovens José Henrique, Cláudia e Emanuele ficaram encantados e emocionados com a apresentação. Para eles, foi uma oportunidade única de conhecer novos instrumentos, de participar de um evento cultural e de relembrar músicas da infância.

A cantora Anna Lira, de 10 anos, que participou do programa de TV “The Voice Kids”, cantou a música “Estrela, Estrela”, de Vitor Ramil. Ao final da performance, foi a vez de todos os jovens presentes ao teatro cantarem, juntos, a música “Fico Assim Sem Você”, de Adriana Calcanhoto.

A temporada de 2017 dos Concertos Banrisul para Juventude vai encerrar no dia 21 de novembro, com duas apresentações, às 10h e 15h.

Os jovens do Pescar Banrisul, com a cantora mirim Anna Lira (ao centro), que participou do programa “The Voice Kids 2017”.

Jovens do Banrisul, com a cantora mirim Anna Lira (ao centro), que participou do programa “The Voice Kids 2017”

Fonte: Assessoria de Imprensa do Banrisul

Unimed Porto Alegre promove Maratona de Ideias com os jovens e egressos da Unidade Projeto Pescar

A Unimed Porto Alegre reuniu os jovens e egressos das turmas de 2015, 2016 e 2017 da Unidade Projeto Pescar para a 1ª Maratona de Ideias Pescar. Foram quatro mesas de trabalho, que geraram 169 ideias. Algumas delas foram selecionadas e apresentadas a uma banca composta por membros da Fundação Projeto Pescar.

Como você imagina o Projeto Pescar daqui a 10 anos? Esta foi a pergunta que permeou os trabalhos dos grupos e resultou num momento de muito aprendizado. Para a educadora social, Kelly Oliveira, o evento, inspirado num modelo que vem sendo utilizado atualmente por grandes empresas, chamado Hackathon, foi muito gratificante: “Tivemos uma tarde maravilhosa, onde conseguimos perceber os jovens sendo protagonistas.”

 

Programa Prato Para Todos comemora dois anos de atuação na Unidade Projeto Pescar Case POA I

O Programa Prato Para Todos, do Governo do Estado, tem beneficiado os jovens da Unidade Projeto Pescar na FASE (Centro de Atendimento Socioeducativo (Case) POA I. No dia 5 de setembro, foi realizado uma ação educativa na Unidade para ensinar como aproveitar frutas e legumes integralmente no preparo de alimentos e a atividade envolveu os familiares dos jovens.

4e8dbfa8-3444-454f-8104-cac9d424f4f8

Na foto, Lisiane Alvares, com o governador José Ivo Sartori

Segundo a Supervisora de Unidade, Rosemary Terra Lucas, as educadoras do Projeto Pescar (Lisiane Alvares e Dirceia Cristiane Almeida Farjado e Lize ) representaram a turma no evento, realizado nesta terça-feira (31/10), em comemoração pelos dois anos de participação no programa.

Educadores refletem sobre o seu papel em meio as transformações

2O Ser e Sentir-se Educador Social foi um momento proporcionado aos educadores para conectarem-se com seus sentimentos e percepções sobre as mudanças nas metodologias do Projeto Pescar. Segundo a mestre em psicologia social, Cristiane Schleiniger, que conduziu este espaço no Encontro Nacional de Educadores, a expressão de cada um também proporcionou uma conexão do grupo, em que puderam se identificar nas diversas falas, assim como perceber as diferenças existentes.

O convite foi para uma percepção lúcida da mudança, não visando à adaptação às novas metodologias, mas às transformações que elas gerarão. A atividade foi inspirada num trecho do texto de Paulo Freire:

E é na condição de seres transformadores, que percebemos que a nossa possibilidade de nos adaptar não esgota em nós o nosso estar no mundo. É porque podemos transformar o mundo, que estamos com ele e com outros. Não teríamos ultrapassado o nível de pura adaptação ao mundo se não tivéssemos alcançado a possibilidade de, pensando a própria adaptação, nos servir dela para programar a transformação.
Pedagogia da indignação: cartaz pedagógicas e outros escritos/Paulo Freire – São Paulo: Editora UNESP, 2000DSC_0851

Encontros de Jovens do Projeto Pescar no RS encerram nesta sexta-feira

Fotos Regionais Metropolitana e Serra:neste link

A Fundação Projeto Pescar promove hoje (20), no Centro de Eventos Palavra da Vida Sul, em Gravataí/RS, o Encontro de Jovens das Regionais Porto Alegre e Interior RS. Na terça-feira (17), foi realizada a edição das Unidades das Regionais Serra e Metropolitana.  Ao todo, 50 unidades gaúchas que absorvem um total de 900 jovens dos projetos socioprofissionalizantes gratuitos da Fundação participaram da atividade, promovida com o objetivo de trocar experiências entre as turmas e exercitar o que elas aprenderam nos cursos.

A supervisora de Unidades, Rosemary Terra Lucas, destaca que os encontros são importantes para o jovem “se experimentar, enfrentar incertezas, ser liderado por alguém que ele não conhece, enfim, se preparar para o mercado de trabalho”. No local, as turmas se desfazem e cada participante é convidado a trabalhar em equipe com pessoas que não conhece, tendo a oportunidade de se integrar a outros adolescentes e até formar novas amizades.

Entre as atividades, o Rale-Duro – pista de obstáculos com percurso na mata, a tirolesa e jogos cooperativos,  coordenados pela equipe do palavra da Vida Sul, Supervisores de Unidade, Educadores Sociais, Voluntários e Parceiros. Rosemary também ressalta que no Encontro de Jovens, os adolescentes podem compreender a dimensão do Projeto Pescar, já que normalmente eles ficam apenas na sua unidade, sem ter ideia do tamanho da entidade. DSC_0716

#souvoluntariodoprojetopescar na Kimberly-Clark RS

Será que existe um voluntário ideal e perfeito?! A pergunta foi feita para os voluntários da Unidade Projeto Pescar Kimberly-Clark, em Eldorado do Sul/RS,  para resgatar a importância deles na vida dos jovens.

A educadora social, Carla Marcarini, explica que o questionamento foi o ponto de partida para criar com os valores, sentimentos e crenças da empresa e do Projeto Pescar, o nosso “ESSE SOU EU” VOLUNTÁRIO K-C.

3

No Encontro de Voluntários, realizado na sexta-feira (6/10), foi possível contar por onde andam os egressos e entregar uma caixinha da bondade, para cada voluntário: “Este presente foi dado com o objetivo de prosperar a bondade demonstrada pelos voluntários. Mas o grande momento do encontro foi a entrega das cartas que os egressos das quatro turmas que passaram pela Unidade escreveram para os voluntários, descrevendo por onde andam e o verdadeiro legado que esta atitude solidária deixou na vida de cada um durante o período em que participaram do Projeto Pescar.”5

Abaixo, depoimento da voluntária Jéssica Beatriz Manjabosco, num post do facebook:

“E hoje eu vou falar de coisa boa: (daquelas que enchem o coração).
1. Chegando na Kimberly-Clark hoje, uma aluna do Projeto Pescar, que somos voluntários, veio contar que no dia anterior tinha andado pelo bairro em que mora procurando guarda-chuvas quebrados. A jovem pretendia ocupar o tecido e ressignificá-lo em forma de novas mochilas e estava com eles em mãos (dou aula de empreendedorismo, e o desafio dessa turma é criar projetos empreendedores que resolvam ou ajudem a solucionar problemas sociais/ambientais) – na primeira hora da manhã já tinha ganhado o dia. Mas não bastava isso:
2. Na metade da manhã tivemos o encontro dos voluntários em que pude receber a carta de pessoas que tive o prazer de conhecer e depois da carta perceber: o quanto gestos simples e positivos podem ficar na vida das pessoas que passam pela gente. Essa corrente de bem só se propaga.

Felicidade não é sonhar com um mundo melhor, mas sim pessoas que realizam isso ao teu redor e junto contigo 💜”

1

2