Jovens da Zensul questionam invisibilidade da juventude em Colóquio Internacional

Na última terça-feira (19/06), a turma da Unidade Zensul levou o debate da invisibilidade da juventude para a abertura do III Colóquio Internacional de Justiça Juvenil na Contemporaneidade. Inspirados no antigo teatro NOH, uma forma tradicional japonesa de teatro com máscaras, música e gestos, os jovens surgiram no palco encapuzados, dando a ideia de que as pessoas e a sociedade não sabem quem eles são e ao mesmo tempo, eles também estão se descobrindo.

Essa falta de identidade começou a mudar quando um jovem passou a revelar o outro tirando a máscara e ajudando-o. Nesse momento eles ficaram iguais. Ao final da apresentação, disseram o seu nome, idade, escolaridade e bairro de origem em Porto Alegre/RS.

Para a Supervisora da Fundação Projeto Pescar, Tatiana Hausen Garcia, a reflexão e o impacto criado com a peça foi muito apropriado à temática do evento, que trouxe para a discussão o fato da sociedade só enxergar a juventude quando ela comete um delito: “Neste momento o jovem entra para a estatística, mas ele sempre esteve ali, faz parte da nossa sociedade, é um ser em desenvolvimento, e está numa fase em que as influências e os estímulos externos são de grande importância para o seu futuro.”

Segundo a educadora social, Alice Machado, diante do desafio de preparar uma abertura para o evento, os jovens criaram todo o roteiro e as falas, assim como escolheram a música e realizam os efeitos sonoros: “A turma está de parabéns”, comemora.

Mais informações sobre o evento, aqui

Profissional da Área de Recursos Humanos

Formação: Superior completo em Gestão de Recursos Humanos, Psicologia ou Administração.

Experiência em: Recrutamento e Seleção, integração, avaliação de desempenho, promover ações de treinamento e desenvolvimento de pessoal, implantação de banco de CV, rotinas administrativas.

Jornada de Trabalho: de segunda à sexta-feira, das 8h às 18h

Desejável: pró-atividade, dinamismo, excelente relacionamento interpessoal, responsável, possuir maturidade emocional, saber planejar rotinas,  comunicar-se com clareza e identificação com projetos sociais.

A Instituição oferece salário compatível com função e Benefícios.

Cadastrar o currículo no link com pretensão salarial até 29/06/2018.

Supervisor de Unidades Projeto Pescar

Formação na área de Humanas: Sociologia, Filosofia, Comunicação, Psicologia, Geografia, História, Administração, Ciência Política, Letras, Pedagogia, Direito, Relações Internacionais, entre outras.

Conhecimentos em: Planejamento estratégico e operacional, Sistemas de Gestão acadêmica, Responsabilidade social e legislação da aprendizagem, Elaboração e coordenação de projetos, Ferramentas de gestão de pessoas e de processos, Coordenação de grupos, Indicadores de desempenho e de resultado.

Jornada de Trabalho: de segunda à sexta-feira, das 8h às 18h

Desejável: Profissional com iniciativa, senso de urgência e habilidade para tomar decisões, responder ativamente a desafios e pressões, com perfil extrovertido e equilibrado, comunicar-se de forma articulada e clara, capaz de influenciar os outros de forma estimulante, direta e segura, capacidade de aprender rapidamente, bem como, a perceber e ajustar-se a mudanças. Identificação com projeto sociais.

A Instituição oferece Salário compatível com função e Benefícios.

Cadastrar o currículo no link com pretensão salarial até 29/06/2018.

Unidade Cruz Alta prepara início das atividades

Encerrou na última semana, o processo de inscrição dos jovens para a Unidade Projeto Pescar Cruz Alta, em Cruz Alta/RS.  As atividades serão desenvolvidas na ACI (Av. General Câmara, 935 – 2º andar ), uma das parceiras do consórcio formado com empresas e organizações do município para investir na formação pessoal e profissional de jovens de baixa renda, e para contribuir com a transformação social da cidade. Segundo a Articuladora da Unidade, Patricia Librelotto, o estudo e o trabalho são as maiores ferramentas para buscarmos um Brasil melhor: “Ajudando esses jovens a terem acesso ao curso do Pescar, estaremos formando uma mão de obra mais qualificada, além de inseri-los no mercado de trabalho.”

Patricia diz que a grande diferença que o Projeto Pescar traz para a comunidade é a possibilidade de desenvolver as potencialidades dos jovens e de fazer com que eles acreditem em si mesmos, entendendo que o trabalho e o esforço próprios os dignificam e os tornam pessoas melhores: “Assim, os jovens estarão buscando um futuro de crescimento, que se refletirá em toda a comunidade onde estão inseridos.” Abaixo, a alegria e emoção dos jovens ao saberem que conquistaram uma vaga no curso:

A Unidade busca agora três empresas parceiras para cotizar os jovens e tem previsão de início para o mês de julho. Mais

MANTENEDORES DA UNIDADE

 

 

 

 

 

 

 

 

Na sala da Unidade, a Supervisora Tatiana Hausen Garcia, com a educadora social, Aurea Fernandez, e as Articuladoras: Patricia Librelotto, Maria Cecilia De Bortoli e Luciana Fontanari

Inscrições on-line

As inscrições do Projeto Pescar são públicas e abertas a toda a comunidade. Em 2017, o diferencial foi o processo on-line, possibilitando ao jovem a inscrição de qualquer lugar e a qualquer horário, sem necessidade de se deslocar até as Unidades. Além de ampliar o acesso às vagas, conseguimos reduzir o custo de deslocamento para as famílias.
Através do link site.projetopescar.org.br/inscricoes/, adolescentes e jovens em situação de vulnerabilidade social, dos 16 aos 19 anos, podem buscar informações
sobre os cursos socioprofissionalizantes gratuitos e se inscrever, informando os mesmos dados, nos dez estados de atuação.

As informações são validadas pela equipe técnica, com critérios preestabelecidos, garantindo que todos vivenciem o mesmo processo. Conforme as etapas da constituição de turmas vão avançando, também é possível perceber o protagonismo dos jovens, que buscam seu espaço através da inscrição em mais de uma Unidade e em espaços comunitários, com acesso à Wi-Fi, por exemplo, procurando alternativas para não perderem os prazos e se candidatarem às vagas.

Jovens precisam de mais oportunidades: aumento no número de inscritos reflete o cenário do Brasil

Em 2017, tivemos 13.349 inscritos para as vagas ofertadas, e a Rede Pescar está atendendo 7,5% desse total, o que demonstra o quanto o Brasil precisa avançar para oferecer mais oportunidades para os jovens. Recentemente, na Unidade da Kimberly- Clark, em Suzano/SP, houve um total de 1.300 inscritos para 20 vagas.

Em Unidades como a Refinaria de Petróleo Riograndense, Hidro Jet, Lojas Renner e Mercur, por exemplo, triplicou o número de inscritos com o novo processo de inscrição on-line, que possibilita ao jovem a inscrição de qualquer lugar e a qualquer horário, sem necessidade de se deslocar até as Unidades.

Para o jovem, Thomaz Erick Chagas, da Unidade Midea Carrier, participar do programa é gratificante: “O Projeto Pescar é muito melhor do que eu imaginava. Foi duro o período de inscrição porque eu nunca tinha me candidatado a nada, e só de estar aqui, participando do curso há três meses,  já me sinto vitorioso. Todo dia busco dar o meu melhor.”

O período tem sido uma superação: “Antes eu não conhecia o meu lado emotivo de abraçar, mas conforme vou me descobrindo, com o feedback da turma e da educadora, vejo que isto pode me ajudar. No ambiente de trabalho é assim, ao conviver com as outras pessoas, elas também te apontam o que precisa melhorar.”

 

Além de mensurar a quantidade de pessoas que se candidataram às vagas, com o novo processo de inscrição on-line foi possível detalhar o perfil do público que busca no Projeto Pescar uma oportunidade. Grande parte, com o recorte socioeconômico exigido pela legislação da Assistência Social, a qual fazemos parte.

PERFIL